Arquivos da categoria: Inclusão Digital

Entrei na onda!

Presentes e conectados, os participantes no 3º Seminário Nacional de Inclusão Digital (Senid), entraram na onda e tiraram suas selfies.

Dá uma conferida!

 

Quer ser um hacker?

IMG_2275Fácil! Agora existe uma escola!

O projeto que ganhou o nome de “Escola de Hackers“, vai ensinar crianças das escolas públicas do município sobre os fundamentos da programação de computadores. As aulas serão acessíveis a idade dos alunos, pois devem se basear no programa Scratch, desenvolvido para trabalhar, justamente, com crianças.

Além de ensinar os fundamentos da programação, ou seja, ensinar o jovem a ser um hacker, o projeto procura desenvolver na criança o raciocínio lógico, entre outras capacidades individuais, como criatividade, capacidade de resolução de problemas e trabalho coletivo. “Claro que não temos a intenção de criar programadores, pessoas aptas a trabalhar em uma empresa. Queremos desenvolver nessa gurizada algumas competências”, explica o professor Adriano Teixeira.

O projeto iniciou internamente, com o Grupo de Pesquisa de Inclusão Digital (Gepid), e deu certo. Tanto, que se expandiu e foi abraçado pela prefeitura de Passo Fundo, pela Universidade de Passo Fundo, pela Faculdade Meridional (Imed) e pelo Instituto Ferderal Sul-Rio-Grandense.

Ouça o que o coordenador do Senid diz sobre O projeto Escola Hacker: Entrevista Adriano Canabarro Teixeira

10 anos de Inclusão digital

IMG_2296

No entardecer do segundo dia do Senid, o momento foi de olhar para dez anos atrás. Em 2004, num contexto bem diferente do atual, surgem as primeiras iniciativas de implementar ações de Inclusão Digital. Hoje, em 2014, o Mutirão pela Inclusão Digital completa dez anos de um intenso trabalho de alunos e professores.

O Professor Adriano Canabarro Teixeira comenta a importância do Mutirão para a transformação social. “Há dez anos, as escolas não tinham acesso a tecnologia e precisavam se deslocar até a universidade para que os alunos pudessem mexer nos computadores. A medida que, via políticas públicas, as escolas tinham acesso a tecnologia, verificamos que existiam outros espaços e possibilidades que poderíamos assumir”, conta.

O principal objetivo do projeto é que os cidadãos possam se apropriar da tecnologia e que esta possa fazer parte da vida deles. Para que isso aconteça, no entanto, são necessárias oficinas, ações de capacitação e eventos que sejam capazes de transformar as ferramentas tecnológicas em oportunidades de troca de experiências.

Todas as ações que o Mutirão desenvolve, desde oficinas para crianças, ensino de Robótica até a realização do próprio Seminário de Inclusão Digital buscam, através de diferentes ferramentas, possibilitar o acesso fácil e rápido a tecnologia. “A tecnologia é tão importante na vida da gente, nada mais justo que a gente saiba programá-la – seja para ver um gato se movendo na tela ou para movimentar um dispositivo robótico. E isso só é possível graças ao trabalho árduo de estudantes, dos professores e colegas da computação e, também, das parcerias que temos. E isso é o mais legal do Mutirão: ele representa, realmente, um mutirão de pessoas trabalhando em prol de algo que é fundamental no dia de hoje – o domínio dessas tecnologias como autores e não só como usuários”, conclui.

Meta-arte: transformando lixo tecnológico em arte

IMG_8690

Foto: Marcelo Mello

A arte e a preservação também marcam presença no 3º Seminário Nacional de Inclusão Digital. A oficina Meta-arte, ministrada por Luciano da Silva do CMID (Centro Marista de Inclusão Digital) de Santa Maria acontece paralela aos eventos do Senid no prédio da Faculdade de Artes e Comunicação e já recebeu diversos alunos e professores das escolas da região que se encorajaram a criar suas próprias esculturas com sucata de computadores.

Luciano – que sempre trabalhou com artesanato – há nove anos vem incentivando seus alunos a cuidar do meio ambiente e do lixo eletrônico por meio da criação de peças novas e únicas através da criatividade. Além disso, dá algumas explicações sobre o funcionamento das partes das máquinas usadas como matéria-prima na confecção. “Nestes tempos em que a tecnologia avança rapidamente e cada vez mais lixo tecnológico é criado, é melhor tornar o obsoleto em decoração do que em poluição”, lembra.

A professora Zanira de matemática, e que agora atende o laboratório da Escola Estadual Ernesto Tocchetto de Passo Fundo, encantou-se com as obras dos jovens participantes da oficina e diz que esse tipo de evento abre muitas portas para que o pessoal das escolas possa visualizar e participar do mundo da tecnologia da informação. Ela espera que eventos como o Seminário plantem a semente do conhecimento nas gerações jovens. “Hoje, quem domina o mundo é o saber”, comenta.

 

O desafio é programar

IMG_0686

Foto: Camila Guedes

Esqueça os grandes robôs, super futuristas e com a forma do ser humano. Aqui, a robótica é simples, bem mais simples. Durante o Senid, a grande questão é como aproximar a tecnologia da educação e uma das formas encontradas pelo professor Marco Antônio Trentin e seu grupo de estudos foi a robótica. Na manhã desta terça-feira, os estudantes do Ensino Fundamental e Médio de Passo Fundo participaram da Final da 1ª Olimpíada de Robótica Educativa Livre.

De acordo com o professor, a Olimpíada foi pensada no ano passado com o intuito de se tornar um projeto de extensão. O principal objetivo do projeto é convencer as escolas, principalmente os professores, de que hoje a robótica não é mais algo distante, difícil. “A gente vê que as escolas particulares já estão recebendo kits, já estão comprando, principalmente em função da facilidade que elas têm. Nas escolas públicas a gente sabe que é um pouco mais complicado. A gente quis mostrar hoje, que não é algo difícil, nem caro”, comenta.

Divididos em equipes, os alunos receberam os carrinhos, ou dispositivos robóticos, e encararam o desafio de programá-los. “O mundo anda, a gente está no século 21 e a gente vê que a tecnologia permeia todas as áreas e isso sim, pode trazer benefícios para a educação. Talvez o aluno se interesse mais pela física, pela matemática, por exemplo, ou use melhor o português para argumentar enquanto faz os desafios de robótica lá na escola”, explica o professor. Outro desejo de Marco é que a experiência sirva como uma forma de os alunos se interessarem também pela carreira nas áreas exatas. “Não necessariamente robótica, mas hoje em dia, por trás dos aparatos tecnológicos tem computadores, no caso esses robôs, que precisam ser programados. Um forno de micro-ondas não é muito diferente que esses robôs, ele tem um motor que gira o prato, um cronômetro, um sensor de temperatura, coisas do gênero. E a economia precisa de profissionais dessa área, seja computação, informática, engenharias, física, matemática. Essa é a ideia”, conclui.

Por uma educação digital

IMG_0668
Os professores Patrícia Scherer Bassani, Patrícia Thoma Eltz e Claudio Cleverson durante a mesa-redonda. (Foto: Camila Guedes)

Que práticas da Web 2.0 acontecem na educação básica? Essa foi a pergunta que a professora Patrícia Thoma Eltz buscou responder na manhã desta terça-feira (29), segundo dia do Senid, durante a mesa redonda “Web 2.0 na Educação”, que também contou com a participação da professora Patrícia Scherer Bassani e do professor Claudio Cleverson de Lima, todos do Centro Universitário Feevale.

Segundo Patrícia, para falar em cultura digital, a gente tem que saber que a sociedade é em rede e isso exige do ser humano uma nova maneira de estar e encarar a sociedade. “A Web 2.0 nada mais é do que uma rede de plataformas que funciona como um todos para todos, ou seja, eu vou fazer, escrever, produzir, mas também vou compartilhar”, explica. Para a professora, apesar de muito presentes na atualidade, as tecnologias ainda não estão presentes no dia-a-dia do professor. “Existem muitas ferramentas, mas o professor precisa conhecê-las”, comenta.

Como forma de mudar essa realidade, a professora sugere que a gente reflita sobre os processos de ensino e aprendizagem e foque em três pontos: produzir, distribuir e compartilhar. “Aquilo que eu aprendo não precisa ficar só comigo”, lembra. A grande questão, para ela, é que a escola, em vez de trabalhar e usar os meios em sala de aula, acha melhor proibir. “A gente deveria ir atrás de como fazer esse aluno usar esses recursos em sala de aula com qualidade. Pensar em cultura digital é pensar na escola nas suas múltiplas formas de ser”, conclui a professora.

Inicia o segundo dia do SENID

O segundo dia do 3º Seminário Nacional de Inclusão Digital já começou! Na manhã desta terça-feira (29), os participantes iniciaram as atividades às 9h com as oficinas: “Literatura Aumentada: Como criar poemas e contos em Realidade Aumentada”, “Prezi”, “Facebook para Educadores: possibilidades para uma educação em rede” e “PROA: um recomendador de objetos de aprendizagem baseado em competências”.

Além disso, no auditório do B5, no campus I da UPF, está acontecendo a mesa redonda “Web 2.0 na Educação”, com a professora Patrícia Scherer Bassani, o professor Claudio Cleverson de Lima e a professora Patrícia Eltz, todos do Centro Universitário Feevale.

(Foto: Cláudia Tainá)

(Foto: Cláudia Tainá)

Inclusão Digital como foco de trabalho

Foto: Maitê Weschenfelder

A primeira tarde no III Seminário Nacional de Inclusão Digital envolveu, além das crianças, a apresentação de trabalhos científicos. Um dos trabalhos inscritos é sobre as ações de inclusão digital na Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Apresentado pelo Dr. Fabio Favarim, o trabalho abordou os cursos e oficinas oferecidos aos professores, crianças e agricultores, no interior do estado do Paraná, com o foco principal de ajudar a população a utilizar as ferramentas computacionais.

 

A nova geração da tecnologia

10317207_755774167788317_1842865121_o

Fotos: Maitê Weschenfelder e Marcelo Henrique

As crianças invadiram o Senid!

Durante a tarde do primeiro dia de evento, quem ganhou espaço foram os alunos das escolas de ensino fundamental de Passo Fundo que participam do Senid Infano, uma forma de aproximar as crianças da tecnologia.

A programação começou com uma apresentação de teatro, comandada pelo ator Beto Mayer, que divertiu as crianças e falou um pouco sobre a utilização das tecnologias na educação e nas suas vidas. Em seguida, os alunos foram encaminhados para as oficinas práticas.Paralelamente a tudo isso, acontece a final do campeonato de games.

Para a diretora a Escola Municipal Coronel Lolico, de Passo Fundo, a  interação dos alunos com os jogos eletrônicos educativos contribui para o desenvolvimento das crianças. Segundo ela, os alunos desenvolvem, além do raciocínio mais rápido, a concentração e a atenção. “ A inovação do ambiente de ensino é fundamental para um bom aprendizado”, comenta.

Oficina de Geotecnologia no SENID

DSC00478

Foto: Cláudia Tainá

Com o objetivo de utilizar as tecnologias disponíveis na rede para elaborar atividades com alunos, especialmente da educação básica, iniciou na manhã desta segunda-feira, a oficina “As Geotecnologias no Ensino da Geografia: As diversas formas de utilização das ferramentas Google Earth e o Maps”, que faz parte da programação do terceiro Seminário Nacional de Inclusão Digital.

Cerca de 20 pessoas estão participando da oficina, que é ministrada pela professora Ana Maria Pereira, da Universidade Federal Fronteira Sul – UFFS, de Erechim, no Laboratório Central de Informática da UPF.  Segundo a professora, essas tecnologias podem ser usadas, além da disciplina de geografia, também por diversas áreas, contemplando também desde o ensino básico, até o superior. “Estamos utilizando o GIMP, que é uma tecnologia de construção de imagens e mapas, e que por ser simples e acessível, pode ser utilizada por qualquer pessoa”, comenta.

A oficina iniciou às 9h e termina às 18h. Na parte da tarde os alunos vão construir um vídeo, para expor os conhecimentos adquiridos.