Arquivos da categoria: Senid 2013

“Toda a informação deve ser livre!”

DSC_0002
Na cultura hacker, a preocupação com o compartilhamento de informações é o que move cada atitude na rede. Analisar, criticar, compartilhar e criar informações é essencial para que a educação assuma o formato esperado diante de um cenário imerso em tecnologia e plataformas digitais.
O pensamento do Prof. Dr. Mario Pireddu, da Universidade de Milão – Itália, responsável pela palestra de encerramento do Senid – Hacking Education, vai de encontro a essa ideia e propõe um acréscimo: “É possível reformular as instituições de ensino para que elas modifiquem a realidade.”, comentou. Mas, antes disso, ele avisa: “Para mudar alguma coisa é preciso construir um novo modelo que torne o modelo anterior obsoleto”.
Os caminhos que o digital está tomando ainda não está bem traçado. O certo é que é um caminho de colaboração e que visa a educação, o conhecimento e a informação disseminada por todo o mundo. Para Mario, é isso que importa: “Não há resposta fáceis, mas podemos ser gratos pelas questões que esse ambiente estimula”.

Hackear a educação “brincando”

Foto: Arthur Ferraz

O kit de educação estrutural tem aplicações para a área matemática, científica e tecnológica, com a parte de robótica livre, e, é isso o que encanta quem bota os olhos nele.
“O nosso publico alvo está em escolas publicas e particulares, mas as particulares só comprarão quando as publicas também fizerem isso, porque se sentirão atrasadas,“ conta Douglas Sullis da Costa, que representou a Atto Brinquedos no Senid.
O kit tem aplicação diária, ajudando crianças e adolescentes a colocar em prática o que aprendem “brincando” na escola com a ajuda dessa ferramenta. “Eu pretendo abrir uma escola, queria que isso aqui engrenasse e agora abriremos uma escolinha de robótica em Florianópolis. Tenho vontade de fazer uma escola diferente, que fosse paga, mas voltada para a classe C. Queremos um mundo melhor na área educacional.”

Invadir para proteger

Na tarde de terça-feira, aconteceu  Hack Day, uma oficina, ministrada pelo professor Luiz Kenobi. Os alunos participantes tiveram a oportunidade de aprender a invadir um servidor, com o objetivo de saber quando estão sendo invadidos, podendo assim proteger melhor o site de seus clientes. Confira mais informações no vídeo abaixo:

Teatro e Tecnologia

Na última tarde de Senid, ocorreu no auditório do prédio LCI, na Universidade de Passo Fundo, a apresentação do ator Beto Mayer. Integrante do grupo do espetáculo de humor “As Filhas da Mãe”, Mayer veio nos presentear com a personagem Dulce Alcântara Pereira Barreto, que por ser extremamente divertida e espontânea, atraiu a atenção do público jovem presente envolvendo-os durante toda a apresentação. Tivemos a oportunidade de acompanhar o ator nos bastidores, enquanto a personagem era montada, passo a passo pelo seu criador, até o mesmo entrar em cena.

A abordagem da apresentação era sobre a importância das redes sociais e da tecnologia nos dias de hoje. Dulce, no início da peça, era totalmente contra o uso desse tipo de ferramentas, dizendo ser uma perda de tempo pra vida dos seres humanos. No final da encenação, ela acaba mudando de opinião e vendo que, na sociedade atual, é quase impossível que alguém não se envolva no mundo das tecnologias. Sendo assim, o Junaj, projeto desenvolvido para o público jovem do Senid, entra em concordância com os aspectos trabalhados por Mayer.

 

Por redes e informações livres

DSC_0143Robôs, sites e como hackear a informação. Esses são os pedidos mais frequentes que Clean Rodrigo Costa ouve de seus alunos. Ele é Monitor no Centro Marista
de Inclusão Digital, de Santa Maria- RS e viajou até o Senid para encontrar pessoas dispostas a pensar em soluções e maneiras de tocar o seu projeto que deu nome à oficina
relâmpago do Seminário: Redes Livres.

“Eu sabia que aqui eu resolveria os problemas que encontro no projeto ou saíria com ideias para outras iniciativas”, conta Clean. O objetivo das Redes Livres é poder mostrar para
as pessoas que é possível aprender cada vez mais e que o único limite para aprender é imposto pela curiosidade. O monitor aprendeu sobre programação e linguagens junto com o seu professor, há seis anos.
Hoje, Clean saiu de sua oficina no Senid com uma solução para o único problema encontrado: o sinal da rede.

Redes livre Clean Costa

Por uma linguagem jovem!

tania

Intensidade. Essa é a palavra de Tania Rösing. Com ela, não há um meio termo, um talvez ou um quem sabe. É sim ou não. Decidida, a professora, que está a frente da Jornada Nacional de Literatura desde o seu início, traz, na sua fala, a vontade e a motivação para mergulhar no novo formato que a educação, aos poucos, assume. E ela convida quem a ouve a saltar junto. Na segunda noite do Senid, com a palestra “Salvem os hackers!” ela questionou a plateia: “Estamos certos do que é ser hacker?”.

Ela está. A sua fala cheia de avidez, abordou a inclusão digital e as novas plataformas tecnológicas como o presente e futuro da educação e destacou, ainda, que tais plataformas serão responsáveis por mudanças drásticas na educação. Assim como, décadas atrás, a escola se voltou para o livro impresso; amanhã a escola se voltará para a tela. E é assim que tem que ser. É preciso, segundo Tania, migrar para uma educação centrada no aluno e no compartilhamento de informação. “Estamos diante de um apelo por uma cultura hacker também na educação!”, enfatizou ela ao falar da importância da universalidade nas salas de aula.

Tania, ligada diretamente com a literatura, não vê o computador como inimigo da leitura, pelo contrário: “As tecnologias digitais trazem quantidade e qualidade de leitura. Basta aproveitar. As informações só podem ser úteis quando assimiladas sem pressa” colocou. Ao finalizar a fala, Tania avisou: “a internet é a obra-prima do hacker e o movimento não ficará restrito à arena tecnológica.”

Escolas, universidades, salas de aula: preparem-se! Se depender de Tania, a cultura hacker está chegando. Melhor assim.

 

Facebook, um lugar de aprendizagem!

DSC_0163O Facebook é, hoje, a rede social de maior alcance e maior público. É tida, de forma geral, como uma ferramenta de lazer e descanso e, por vezes, é vista somente como um depositório de informações pessoas. Mas, acredite se quiser, não precisa ser assim. O Senid, através da oficina uso de grupos no Facebook como espaço digital de aprendizagem”, é o espaço para compreender os novos rumos que a rede social está tomando.

Durante a oficina, os participantes puderam compreender formas de usar os grupos, ferramentas que a rede disponibiliza, como ambientes de compartilhamento de conteúdo. O essencial, para essa visão, é que o espaço seja colaborativo, interativo e dinâmico possibilitando, dessa forma, correções, complementações e informações adicionais em tempo real. O conhecimento acontece pela troca.

 

Salvem os hackers ou salve-se quem puder!

prof alexandre

Engana-se quem pena que hacker é aquela pessoa que invade computadores. Hacker é quem questiona, pesquisa e compartilha conhecimento.

Com seu jeito excêntrico, Alexandre Oliva se emociona quando fala sobre tecnologia. O professor é fundador da Fundação Sotware Livre América e, na noite de terça, trouxe para o Senid a sua visão sobre a cultura hacker.

Segundo Alexandre, indo contra a visão que muitos criam, ser hacker é diferente de ser programador ou criminoso. Ao contrário, ser hacker é ter paixão por conhecimento e informação. “O valor do hacker está no brilhantismo da sacada. O hacker tenta salvar o mundo. É isso!” O professor acredita que o medo provocado pelos hackers está no fato de eles colocarem em risco o modelo de dominação e poder. Ele garante que é preciso continuar batalhando pelo compartilhamento de informação, porque a elite está sempre um passo a frente na tecnologia.

Em relação à educação, Alexandre comenta que as escolas oferecem aos alunos livros e programas que não podem ser compartilhados e que a escola deveria dar exemplo, oferecendo software livre. No fim, o professor ainda provoca: “Sejamos hackers livres que questionam, pesquisam e compartilham conhecimento.”

No vídeo, o professor fala um pouco mais sobre os hackers. Confira: